Mulher Maravilha: Dama de Guerra (DC Icons, nº1)

Por uma vez, não vou falar de Banda Desenhada no Nerds KNOW. Vou falar de personagens de BD num livro!!

Começou a sair há uns anos uma coleção de livros, intitulada DC Icons, ou Ícones da DC. Como o filme da Mulher Maravilha era a coisa mais falada no momento, o primeiro livro é sobre ela. E como é o único que tive a oportunidade de ler, é o único do qual eu vou falar. Mas só por curiosidade, os próximos livros são sobre o Batman, a Catwoman, e o Super-Homem.

O livro começa na ilha de Themyscira, com uma Diana muito jovem, apenas uma miúda, ainda muito longe de se tornar na Guerreira lendária que conhecemos. Conhecemos as Amazonas de Themyscira, as antigas e as mulheres de tempos mais recentes, que morreram em batalha, ou de outra forma heroica. Themyscira no livro é como uma espécie de vida após a morte para guerreiras, e a entrada de mortais é proibida. A ilha é um paraíso, onde a morte e as doenças não existem. Mas se algum mortal entrasse nos seus domínios, a ilha mergulharia no caos, até se destruir por completo.

E então encontramos Diana. Uma miúda, uma princesa. Filha da Rainha Hipólita, e sempre a sentir-se inferior às suas irmãs guerreiras, por nunca ter estado numa batalha. Por nunca ter provado o seu valor.

Mas Diana tem a sua oportunidade! Uma corrida pela ilha, em honra das jovens Gregas dos tempos antigos. Se Diana conseguir vencer a corrida, conseguirá sem dúvida o respeito das suas irmãs! E ela está prestes a ganhar! Tem um avanço enorme, até se poderia dar ao luxo de descansar, porque as pernas parece que estão a arder, mas ela continua! Até que ouve o que parece uma explosão. Na costa mais afastada da ilha. Perto da fronteira com o mundo dos mortais.

Diana acaba por abandonar a corrida, juntamente com quase todas as regras que lhe incutiram, e mergulha para salvar uma jovem mortal de se afogar. Mas a rapariga não pode permanecer na ilha, que já se começa a ressentir da sua presença.

Diana vai em segredo consultar a Oráculo, para que esta lhe diga o que deve fazer, e chega á conclusão de que não basta entregar a rapariga em casa sã e salva. Pois Alia não é uma mortal qualquer. Devido aos seus antepassados, nem mortal deveria ser. Alia é uma Dama de Guerra, descendente direta de Helena de Tróia, ela própria filha de Nemesis e Zeus. Alia e toda a sua linhagem foram amaldiçoadas para causar guerra e conflito no mundo dos mortais. E todos os que sabem isto querem matá-la, para evitar que essa destruição aconteça. Todos menos Diana, que jura proteger Alia com a sua vida, e se torna sua Irmã de Armas.

 

Não estava nada à espera que este livro fosse tão bom como se revelou. Diana, mitologia da DC, mitologia Grega, intriga, mistério, batalhas – muitas delas até BASTANTE violentas…ESTE LIVRO É PERFEITO???

Acho que aquilo que me prendeu acima de tudo foi a atenção às lendas Gregas, e a facilidade com que elas foram misturadas com a mitologia que a DC criou para a Mulher Maravilha. Porque existe de facto uma versão do mito em que Helena de Tróia era filha de dois deuses, e não apenas de Zeus com uma mortal, e acabou por ser adotada e criada por mortais. E o livro pega nesse conceito e cria toda uma conspiração, com direito até a questões filosóficas sobre destino e livre arbítrio.

Eu adoro genuinamente este livro, e apesar de ser um meio diferente, é um exemplo fantástico da Mulher Maravilha, da sua personalidade e da sua força, e eu quero TANTO que o resto da coleção (com cada livro escrito por um autor diferente) continue com esta qualidade!

 

Deixar uma resposta