O Super Stan Lee!

Era impossível, nós, através do blogue não homenagearmos o Grandioso Stan Lee! Apesar de eu (Helena), não ler BD, gosto dos filmes. E dos super-heróis que tenho na minha lista de favoritos: o Wolverine, o Wolverine, o Wolverine, o Wolverine, o Batman e a Super Mulher, Lee foi criador de um deles; para além de que a Inês é a nossa especialista aqui sobre BD.

“I used to be embarrassed because I was just a comic book writer while other people were building bridges or going on to medical careers. And then I began to realize: entertainment is one of the most important things in people’s lives. Without it, they might go off the deep end. I feel that if you’re able to entertain, you’re doing a good thing.” – Stan Lee

e2c68cda49eb48fff2d48f25e9bc6bd0

 

Por acaso o Wolverine foi, oficialmente, criado pelo trio Len Wein, Roy Thomas, e John Romita.

Apesar disto, o Stan Lee foi o co-criador de imensas personagens lendárias, como o Homem-Aranha, o Hulk, o Black Panther e o Quarteto Fantástico.

O Stan Lee era um visionário da sua altura. Ele encontrou formas de humanizar os super-heróis, tornando-os mais humanos,e ao mesmo tempo mais comerciais, mais apelativos para mais pessoas. E esta vontade, esta inclinação de envolver o maior número possível de pessoas foi o que fez com que ele impulsionasse a diversidade nas BD’s, e lutasse conta o “Comics Code”, essencialmente um lista com tópicos proibidos de aparecer na BD, fosse porque motivo fosse. Contra a censura, contra o elitismo, contra a discriminação de qualquer espécie, o Stan Lee bateu-se por boas causas, dentro e fora do mundo daquilo que hoje é a Marvel.

Apesar das controvérsias e lutas de décadas com o Jack Kirby e o Steve Ditko, só a título de exemplos, que devem ser reconhecidas, pois somos todos humanos, e mesmo os melhores dentre nós erram, e deviam saber admitir quando o fazem, o Stan Lee continua a ser uma genuína fonte de inspiração, não só para aqueles envolvidos no mundo da BD. Começou a escrever guiões por volta dos 20 e muitos anos, mas tinha 39 anos quando se estreou o Quarteto Fantástico, a primeira família de super-heróis, e o seu primeiro grande sucesso. 39 anos. E não lhe caiu no colo, ele começou a trabalhar na empresa que viria a ser a Marvel aos 19! Objetivamente falando, ele só experienciou sucesso quase a meio da sua vida. Porque lutou até lá chegar. Muitas vezes vemos figuras de pessoas importantes já com uma certa idade, que atingiram o pico do sucesso na sua juventude. O Stan Lee não. Ele trabalhou, suou, sofreu e bateu-se pelo seu sucesso. E hoje é um ícone que, pelas memórias e bons momentos que presenteou a pessoas por este mundo fora, se tornou, oficialmente, imortal.

Excelsior.

Inês

73ba9ce6e112bbda72b8bccad9a07034

1922-2018

Deixar uma resposta