Nerds KNOW: Lady Death / Mistress Death

A pedido de várias famílias (sobretudo a Helena), decidi fazer o segundo episódio do Nerds KNOW sobre a Morte, no Universo da Banda Desenhada da Marvel.

A Morte Enquanto Personagem

Então, a Morte é uma personagem, com um corpo e uma personalidade, e é habitualmente representada como sendo uma mulher, embora, enquanto entidade, não tenha um género definitivo. A sua aparência varia, entre uma mulher jovem e bonita, a um clássico Grim Reaper, atá à sua forma mais comum, um corpo de mulher com uma caveira em vez de uma cara. Que é como quem diz, um esqueleto com mamas. Porque sabe Deus, que toda a gente ia achar que a Morte era um homem se ela não tivesse mamas… Habitualmente vestida com túnicas e mantos, houve pelo menos uma ocasião em que assumiu uma forma masculina, quando lutou contra o Drácula. Sim,Drácula. A BD tem destas coisas.

Apesar de não falar muito nas suas aparições, a Morte interfere ativamente nas vidas dos mortais, manipulando-os. Embora muitas vezes ela tente apenas manter o equilíbrio entre a vida e a morte no universo – daí a sua interferência, a morte, enquanto inevitabilidade, tem de existir, e ela encarrega-se disso -, ela não tem problemas em ajudar vilões e demónios; só quebrar a rotina, imagino eu.

Embora seja habitualmente, e naturalmente, uma entidade neutra, a Morte já tentou por várias vezes ganhar controlo do Universo, muito motivada pela sua rivalidade com o seu “irmão” – Eternidade. (Deixem-me só fazer uma pausa para ser nerd sobre mitologia, e dizer que adoro a inversão daquilo que normalmente aparece nos mitos em várias culturas – a entidade da morte e destruição é feminina, e a entidade de criação é masculina. Há muitos casos de Deuses que encaixam nesta “exceção” que referi, mas, estatisticamente falando, continuam a ser também exceções. Acho só interessante, pronto, de volta à BD.) Ainda assim, a sua neutralidade natural vence sempre, uma vez que ela compreende a necessidade de equilíbrio, o que faz com que ela observe as várias vidas do Universo, e as deixe florescer, mas planeando sempre maneiras de as influenciar.

E vamos agora aquela parte que as pessoas (a Helena) queriam MESMO saber:

Os Pretendentes da Morte.

Embora as relações da Morte, sobretudo com vilões e antagonistas, sejam variadas, e quase sempre análogas a relações de negócios, a Morte tem pelo menos dois interesses românticos: o Thanos, e o Deadpool.

Thanos

Esta relação é muito unilateral: o Thanos é completamente apaixonado pela Morte, mas ela não lhe passa cartão nem por nada. Ele ganha poder e influência, e ela, nada, continua a não querer saber. Não podemos dizer que ela seja interesseira, né? Mas é possível que ela também se esteja a resguardar, porque num Universo Alternativo, ela e o Thanos tiveram um filho – Rot -, uma anomalia que não estava nem vivo nem morto, que tentou, e quase conseguiu, devorar o Universo. A sua natureza de nem vivo nem morto, significava que ele estava para lá do controlo da Morte, e ela teve que pedir ajuda a um clone do Thanos para acabar com ele. Sim, um clone. A BD tem destas coisas.

Deadpool

Já no que diz respeito ao Deadpool, os sentimentos são recíprocos. A atração do Wade pela Morte é essencialmente uma analogia que dura há anos, sobre as tendências suicidas do Deadpool. Eles encontraram-se pela primeira vez enquanto o Wade estava a ser torturado, e a Morte teve pena do sofrimento dele e fez-lhe companhia. A bondade dela fez com que ele se apaixonasse, e quisesse morrer, para poderem estar juntos. Contudo, eles nunca o poderão fazer, pelo menos enquanto o Deadpool tiver o seu fator de cura, porque ele o impede de morrer permanentemente, e a Morte não o quer sem ser a tempo inteiro. Mas mesmo assim nenhum deles perde uma oportunidade para um flirt, sempre que se encontram.

E é tudo por hoje pessoal, se têm personagens ou histórias de Banda Desenhada que gostariam de ver explicadas ou analisadas, é só comentar!

Deixar uma resposta