Ferdinand

Desde bezerro que Ferdinand se demarcou dos restantes: uma sensibilidade e coração enorme, para não falar na grande paixão por flores. O fez sempre com que estivesse posto de parte, pois todos os outros sonhavam não só em serem fortes como os seus pais, como também em um dia entrar para a Arena de Touros e conseguir vencer o Homem.

O pai de Ferdinand conseguiu ser escolhido para a arena, da qual nunca voltou. Ao deparar-se com este facto Ferdinand foge da Quinta de Criação de Touros e é resgatado por uma menina chamada Nina e o seu pai; para alegria de Ferdinand estes cultivam e vendem flores. Assim, o pequeno bezerro cresceu rodeado de amor e tornou-se bastante maior do que o seu pai. O que significava que já não poderia acompanhar Nina ao Festival de Flores, pois as pessoas não iriam reagir bem à sua presença. Mas Ferdinand, decide mesmo assim ir… o que provocou uma enorme confusão, terminando na sua captura. Para ironia da vida, acaba por voltar à Quinta de onde tinha fugido.

Na quinta, descobre que os touros que não são considerados próprios para a Arena terminam no matadouro e acaba por descobrir também porque razão os touros nunca voltam da Arena… Toma a decisão de salvar todos os touros da Quinta.

 

Inês:

Antes de mais nada, as texturas neste filme são lindas!

Quem me conhece sabe que sou contra as touradas, por isso, é claro que ia amar este filme. E devo dizer, que o filme não só destrói a narrativa de que os touros são animais naturalmente violentos, como critica toda a indústria da tauromaquia, não esquecendo de apontar o dedo à criação de cavalos! Este filme é perfeito.

E consegue abordar temas pesados, de uma maneira que é simultaneamente simples o suficiente para as crianças perceberem, e inteligente o suficiente para não as patronizar. Caraças, EU ADORO ESTE FILME!

Já agora, já mencionei que um dos touros (Angus) tem a voz do David Tennant? Que eu conheci imediatamente? Mencionei agora, ficam a saber. (Apesar do meu favorito para além do Ferdinand ser o Máquina).

Se quisermos analisar o filme mais profundamente, temos pequenas mensagens ao longo da história, como o elitismo (dos cavalos contra os touros; tendo em conta que os cavalos são alemães, poderá haver aqui alguma mensagem acerca de xenofobia? Ou estarei a ver coisas?), e sobretudo a importância das amizades e da interajuda, por mais que a sociedade em redor diga que isso não é o certo. O que, ligado com a violência típica da tauromaquia, e com o facto da maioria das personagens serem masculinas, pode traduzir-se numa crítica da “masculinidade à força toda”, a típica imagem do “machão” que, infelizmente, ainda é muito comum, sobretudo pelo sul da Europa. Já para não falar da crítica geral das imposições e expectativas sociais que são impostas. Estão a ver o que dizia sobre o filme ser inteligente? Ataca estes temas que são complicados, de maneira subtil o suficiente para serem percetíveis.

“O Touro nunca ganha. É só mais um matadouro.”

 

Helena:

“Nunca julgues alguém pela sua aparência”

“Ser bondoso não é uma fraqueza”

É das primeiras percepções que se tem, talvez por serem as mais directas. A primeira porque, é gritantemente óbvia, Ferdinand é gigante e assustador aos olhos dos humanos, mas tal não significa que é perigoso, até pelo contrário. Ele tem um coração enorme! Esta característica é tomada não só pelos outros touros como pelos humanos por uma grande fraqueza.

Num mundo, onde foi incutida a competição e rivalidade (como se pode observar no filme na interacção entre os touros). Esta ideia de que temos de ser o melhor ou a melhor talvez tenha surgido porque apenas assim podemos ser bem-sucedidos, isto na visão da sociedade. A bondade é apenas aceitável, se a praticarmos com quem é extremamente necessitado, pois não é considerado um perigo para o nosso sucesso, porque não é sequer um rival que possa competir connosco. Problema? O sucesso é diferente para cada pessoa, embora a sociedade dite para ser alguém bem-sucedido tem de: ter estudos superiores, um bom trabalho na área em que estudou com um ordenado gordo, uma casa e carro próprio, casar e ter filhos. Fim.

Em relação às cenas do filme, existem algumas que considerei favoritas: a cena na loja de loiças e porcelanas e a cena final na Arena; vejam e vão perceber o porquê de gostar tanto destas cenas do filme 🙂

Deixar uma resposta