O Prodígio

Elizabeth Wright (ou Lib, como a irmã lhe chamava) é uma das enfermeiras que receberam uma rigorosa e disciplinar formação da grande e famosa Mrs. M. que lhes ensinou que o primeiro passo para ajudar na cura do doente é observá-lo para assim a anotar meticulosamente todos os sinais “anormais” que poderão não só denunciar qual a doença, mas também a causa da mesma.

Lib é enviada pela enfermeira chefe (que não suporta os seus métodos meticulosos com os doentes), para uma aldeia em Dublin, na Irlanda. Um país pantanoso assolado pela fome, que se agarra não só às lendas como acerrimamente à religião, como se esta fosse comida num prato.

Mrs. Wright vai convicta que irá cuidar de um caso privado de importância, porém quando chega ao destino é informada de que Lib irá apenas vigiar uma menina de onze anos durante duas semanas.

Porquê?

Anna O’Donnell se recusa alimentar desde o seu 11º aniversário, ou seja, desde Abril… há quatro meses atrás. Todos se perguntam como uma criança de onze anos consegue sobreviver quatro meses sem se alimentar e continuar viva!

Algumas pessoas estão convictas que Anna é uma santa, enquanto outras pensam que esta menina é apenas uma grande mentirosa. Assim, foi composto um Conselho, para averiguar este caso de jejum, composto por estes elementos: o professor de Anna, um vizinho da família O’Donnell, o padre da aldeia, o velho (e único) médico da aldeia o Dr. McBrearty. Lib foi juntamente com a Irmã Michael, contratada por este “conselho” para vigiar durante vinte e quatro horas a pequena Anna O’Donnell, durante catorze dias. Com o intuito de verificar que a menina realmente não ingere nenhum alimento.

Lib está determinada a acabar com a farsa da pequena mentirosa. Descobrir qual é o maná dos Céus que Anna refere ser a única coisa com que se alimenta e terminar com este disparate. Não confiando plenamente na Irmã Michael devido à extrema devoção da família O’Donnell, torna-se óbvio para Lib que esta irá, devido à religião, compactuar com esta farsa de alguma forma.

Entretanto, a notícia espalha-se pelos jornais e a Irlanda torna-se alvo de escárnio, por acreditar que uma menina sobrevive quatro meses sem alimento. Assim, chega à aldeia, William Byrne, um jovem jornalista que foi incumbido de realizar um artigo sobre Anna e o seu jejum.

Desde o primeiro dia da apertada vigilância que Anna começa a definhar a passos largos, e parece que só Lib tem noção disso, nem o próprio casal O’Donnell olha com olhos de ver a própria filha!!! Ninguém dá importância ao facto de Anna estar realmente a morrer de fome. Assim, decide tomar a decisão, com ajuda a Irmã Michael, de mostrar ao Concelho o real estado de Anna, porém a principal preocupação deste é observar se Anna é realmente um ser humano diferente e consegue sobreviver sem comer.

Lib desesperada desabafa com o jornalista por quem acaba por se apaixonar e com ajuda deste, esta toma medidas arriscadas para salva a pequena Anna de si própria, mas principalmente do ambiente de pessoas tóxicas que a rodeiam.

 

A única coisa que poderei dizer sobre este livro é: LEIAM!

 

 

Deixar uma resposta