What Happened To Monday?

Mais um filme fantástico com um elenco excelente. Willem Dafoe, Glenn Close, e Noomi Rapace – como é que eu podia resistir?

Vou só levantar a ponta do proverbial véu sobre este filme, para não estragar o final: num futuro próximo, as alterações climáticas e a sobrepopulação arruinaram as indústrias agrícolas por todo o mundo, mas os cientistas, recorrendo a mutações genéticas nas plantas, conseguiram torna-las mais fortes, e este problema foi resolvido. Mas apareceu outro – essas alterações genéticas alteraram também parte da genética humana, fazendo com que todos os nascimentos fossem múltiplos, ou seja, de gémeos e trigémeos para cima, o que só piorou a crise da superpopulação.

De modo a resolver esta última, foi instituída a política do filho único – sim, à semelhança do que acontece na China -, mas como implementá-la, se toda a gente que tem filhos tem mais do que um? A agência seleciona o mais novo, retiram-no à família, e colocam-no em criogenia, ou seja, uma espécie de coma no qual ele não envelhece, e planeiam “devolvê-lo” à sociedade e à família, assim que a crise seja ultrapassada. Aparentemente ninguém quer saber da possibilidade de a família morrer toda antes de a criança despertar, mas isso é outra história.

Glenn Close assume o papel da mulher responsável pelas mudanças na sociedade, enquanto Willem Dafoe assume o papel de um avô de séptuplas – 7 gémeas. Tenta protegê-las e manter a sua existência em segredo, e consegue fazê-lo com sucesso, durante 30 anos.

Noomi Rapace assume o papel das 7 irmãs clandestinas, que têm que lutar pela sua sobrevivência quando o seu segredo é descoberto. Adoro as performances destes 3 atores, Willem Dafoe, sobretudo, transmite emoções de forma lindíssima. Tornei-me fã de Noomi Rapace quando a vi na Trilogia Millennium, enquanto Lisbeth Salander, onde ela provou que era uma excelente atriz física, capaz de realizar cenas de ação complexas. Acho que esse aspeto sobressai ainda mais neste filme, onde todas as irmãs têm que lutar pela vida, mas têm personalidades e capacidades diferentes.

Não posso deixar de mencionar a “flexibilidade” que Noomi Rapace apresenta aqui, dando a mesma cara a 7 personagens diferentes, e conseguindo fazê-lo de forma excelente. Dei por mim constantemente estupefacta pela pura qualidade do trabalho que ela apresentou!

Existem alguns mistérios ao longo do filme, os quais eu, admito, adivinhei ainda ao início. Talvez por estar habituada a puzzles de dedução, talvez por serem um pouco previsíveis; de qualquer forma, não retiram o valor do entretenimento, nem retiram qualidade à história.

Várias mensagens são transmitidas ao longo deste filme, apresentando valores que se confrontam, mas que não o deviam fazer; não deviam ser antagónicos, deviam complementar-se. Somos a única espécie neste planeta com consciência das consequências das nossas ações, especialmente a longo prazo, e não nos podemos dar ao luxo de abandonar essa consciência, em prole de nada

Deixo-vos com um trailer, e boa noite!

Deixar uma resposta